Malditos trabalhos

São 18h da tarde e estou a preparar-me para sair do ISEGI, onde tenho estado desde as 9h da manhã, com uma pequena pausa de almoço, a fazer um trabalho que tenho que entregar e apresentar na próxima quarta-feira. Nem neste feriado, que é santo e que nem se devia estar a trabalhar, deixo de estar, eu e mais cerca de meia centena de pessoas, sentadas em frente a um ecrã a acabar trabalhos para a universidade. Dizem que a vida de estudante é que é bom e até são capaz de ter razão, mas também há momentos em que não é nada agradável andar em fins de semana e feriados a fazer trabalhos a correr.

Fica aqui este desabafo, num momento em que vou para casa, descansar e jantar, para amanhã, bem cedo, voltar à universidade para mais um dia de tarbalho.

Notícias do Mundo (II)

Governo «preocupado» com braço-de-ferro na Autoeuropa
Ministro do Trabalho e da Segurança Social atento «à situação de conflito» entre administração e trabalhadores sobre aumentos salariais, prémios de assiduidade e pagamento do trabalho suplementar. Novo acordo laboral deveria ter entrado em vigor em Setembro.

Infelizmente é uma história que se repete todos os dias, mudando só os personagens. Os trabalhadores querem melhores salários e até, nalguns casos, melhores condições de trabalho e as empresas, em vez disso, cortam nos mesmos, despedindo os trabalhadores e muitas vezes, fechando as portas, sem avisar nada nem ninguém.

O Governo nada faz, as greves sucedem-se, mas nada muda, continua tudo na mesma. É este o país onde um dia mais tarde quero trabalhar? Não me parece…
É por isso é que eu antes prefiro andar a estudar, pois assim não tenho tantas preocupações como se andasse a trabalhar. Mas esse tempo irá aparecer e nessa altura vou ter que andar preparado.

O artigo transcrito em cima é parte de um artigo presente no Portugal Diário no dia 5 de Dezembro de 2005.

Um livro, um filme, um album

Este fim de semana, como tive tempo de sobra, aproveitei esse tempo para ler um livro e para ver uns DVD’s.
O livro, que recomendo vivamente a todos para o lerem, é “O diário da nossa paixão” de Nicholas Sparks. Eu sou um fã deste escritor, mas dos livros todos que já li dele, este foi o que eu gostei mais. Não vou desvendar nada sobre a história, mas empresto o livro a quem quiser ler.
Um dos filmes que vi durante o fim de semana foi “Uma casa, uma vida” (Life as a house) de Irwin Winkler, com Kevin Kline, Kristin Scott Thomas, Hayden Christensen e Jena Malone nos principais papeis. De todos os filmes que vi, este é o que eu recomendo. Apenas deixo a sinopse para perceberem um pouco mais da história do filme:
Esta é a história de um arquitecto de meia idade (Kline) que descobre que tem um tumor e que lhe restam apenas uns meses de vida. Confrontado pelas novas mudanças que surgem na sua vida, decide começar a trabalhar no sonho que sempre adiou de construir a sua própria casa.
Nesta altura de mudança, as pessoas que mais o transtornavam desde a sua ex-mulher, ao seu filho irreverente, voltam a aproximar-se lentamente dele apercebendo-se como as suas vidas se modificaram completamente.
A construção da casa perfeita transforma-se numa metáfora para a reparação de uma vida destruída…

Depois de recomendar um livro e um filme, achei por bem, recomendar também um album de música, que sempre que o oiço, fico com uma sensação de paz interior, que faz com que sinta que o dia vai ser em grande. O album é o “In between dreams” do Jack Johnson. Desde a primeira vez que o ouvi que passei logo a gostar da música dele. Fica para já, a ideia de ir vê-lo ao vivo no Pavilhão Atlântico.

Ficam aqui as recomendações de um fim de semana um pouco diferente do que costumava ter…

O diário da nossa paixão Uma casa, uma vida In between dreams

O estado da nossa saúde

Ainda estou um pouco incrédulo com a história que a minha avó me acabou de contar, mas já tinha ouvido falar de histórias idênticas. O meu avô hoje tinha uma consulta num hospital numa zona periférica à cidade de Lisboa, digo tinha porque quando lá chegou, depois de ter marcado essa consulta há quase 2 meses, a secretária que estava lá a atender os utentes “descobriu” que a consulta não estava no computador, ou seja, ou não tinha sido marcada ou tinha sido mal marcada.
Devido a um erro que não foi dos meus avós, eles não tiveram consulta, tiveram que fazer uma viagem de táxi de alguns quilómetros e o fim não tiveram a consulta a que tiveram direito.
Mas o melhor da história ainda está para vir, não só não tiveram consulta, perdendo tempo e dinheiro, como só conseguiram marcar consulta, para a vez da que não tiveram, para o mês de Setembro de 2006!!! (até me esqueci de perguntar o dia à minha avó).
Agora percebo porque é que dizem que a saúde em Portugal não anda bem, com pessoas assim a trabalhar nos hospitais, os utentes vão ter sempre razões de queixa.

Mas no fim, a quem é que nos vamos queixar? Ao hospital? Ao governo? À secretária? Eles vão pôr sempre as culpas noutra pessoa ou instituição e andamos assim, numa situação que é impossível de sustentar, pois a saúde é um dos bens mais preciosos que cada pessoa tem.

250 anos depois…

Foi durante o dia de ontem que se “comemorou” os 250 anos do terramoto de 1755 em Lisboa.

Escrevo “comemorou” entre aspas, pois acho que não é uma grande comemoração, mas sim, um dia em que devemos pensar que somos minúsculos neste Mundo. Creio que fizeram bem em fazer tocar os sinos das igrejas de Lisboa em honra às pessoas que faleceram nesse dia, na altura em que o terramoto destruiu parte (para não dizer tudo) de Lisboa.

O mais impressionante é pensar que, apesar de não sermos um país com vulcões activos e com uma falha que provoca oscilações, ou seja, com grande visto de desastres naturais, ainda não ter sido nada elaborado para podermos reagir à catástrofe no caso de ela acontecer.

Segundo dados de um artigo no jornal “Público”, do dia 1 de Novembro de 2005, caso haja um novo sismo com a mesma intensidade e na mesmas circunstâncias, haveria mais cinco mil mortos (5000) do que em 1755. Apesar de existir neste momento mais pessoas a viver na zona da capital do que em 1755, deveria haver também habitações com melhor qualidade e a pensar nisso. Mas claro está, num país que está mal economicamente, é difícil arranjar maneira de os constructores construirem essas habitações.

No mesmo artigo, existe uma parte que me deixa algo reticente. Está escrito que uma das zonas em Lisboa que teria mais problemas, seria a zona do Parque das Nações… Fica a pergunta no ar: Há uns anos atrás, não diziam que era nessa zona que seriam construídos uns prédios novos que seriam capazes de aguentar a sismos?

Deixo aqui também, eu palavra de pesar pelas pessoas que faleceram durante o terramoto e uma palvara de agradecimento a todas as pessoas que fizeram com que Lisboa voltasse a “nascer” e a ser a capital deste país, que apesar de tudo, é muito grande.

Todos os dados do Público, estão na edição de 1 de Novembro de 2005, nas páginas 1 a 6, no tema de destque da edição.