Viagem à feira

No Sábado fui à feira, uma feira que costuma haver todos os anos, com inúmeras diversões e algumas barraquinhas, onde tudo é vendido a preços mais baixos. Costumo lá ir, e este ano, como não tinha ido lá, aproveitei para lá dar um saltinho.

As diversões não eram as que mais agradavam e havia até algumas que os preços não aconselhavam a utilizar, por isso limitei-me a dar uma volta e a constatar o facto que cada vez menos pessoas vão lá para utilizar essas diversões. Tal como eu, vão lá somente para passear e aliviar um pouco o stress do dia a dia.

Na voltinha pelas barraquinhas é que perdi o maior tempo do passeio pela feira. Não é que seja muito dado a compras, mas há algo nessas barraquinhas que me faz dar umas voltas para ver. Não comprei nada, como seria de esperar, mas por muitas vezes dei por mim a regatear preços com marroquinos, indianos e chineses que vendiam um sem número de material.

Acabei o passeio comendo uma fatia de bolo de chocolate e encontrando pessoas amigas na feira. Assim como as encontrei, assim me despedi com dois dedos de conversa. Não porque eram pessoas com quem não queria falar, antes pelo contrário, gosto de falar com todas as pessoas que conheço, mas sim porque já tinha dado o meu passeio e também porque tinha outras coisas para fazer, como vir para casa descansar.

Dia de Verão

Adoro o Verão e o calor como quase todas as pessoas que conheço, por isso, quando estou no Inverno como agora, adoro quando está um dia mais quentinho com o sol a mostrar-se em todo o seu esplendor e a aquecer um pouco mais o meu coração.

No Sábado foi um dia assim, em que os raios do sol entraram pela janela do meu quarto, janela essa que deixei aberta durante a noite, o que me fez acordar mais cedo. Costumo ficar um pouco mal disposto quando acordo mais cedo sem ter nada para fazer, mas nesse dia tal não aconteceu. Acordei bem disposto, talvez por ter sido acordado por um sol que me aqueceu durante o dia todo, fazendo me recordar dos tempos de Verão, as idas à praia, as tardes na esplanada, os banhos no mar, as manhãs de futebol na areia, as noites quentes de jogos e de passeios. Tudo veio à memória. Claro está que voltou também as saudades do Verão.

Não detesto o Inverno, pois adoro sentir a chuva a bater na cara a “molhar” os pensamentos, ou estar à lareira à noite e ouvir a chuva a bater com violência no telhado da casa, adoro isso; mas o Verão é minha estação preferida. É dos momentos passados no Verão que faz com que sinta saudades de estar com os meus amigos como antigamente, de voltar a fazer o que fazíamos. O tempo vai mudando as pessoas, mas não muda as verdadeiras amizades, essas ficam para sempre tal e qual como eram no princípio. Esses sim são os verdadeiros amigos.

Agora que o sol já se pôs e que a noite vai começar, volta o frio do Inverno, desvanecendo as memórias do Verão, obrigando-me a colocar mais um casaco em cima do corpo para não ter frio.

Dia de aniversário

Mas que belo dia para ter nascido. Dia 8 de Março de 1983, dia do aniversário do meu pai e Dia Internacional da Mulher. Não sou invejoso e até estou muito contente por fazer anos neste dia. Primeiro porque é no mesmo dia do meu pai, uma pessoa que, após a morte da minha mãe, foi tudo para mim. Mais que um pai e uma mãe, é um excelente amigo, que apesar dos 50 anos feitos hoje, tem, em algumas situações, uma mente muito mais jovem que o seu filho mais velho (que sou eu). Depois porque é no dia da mulher…

Espero que o dia me corra muito bem, cheio de alegria e que o possa passar com as pessoas de quem mais gosto, que é o que desejo a todas as pessoas no seu dia de aniversário. Vou tentar colocar aqui uma foto minha tirada durante o dia de hoje, vamos ver se me lembro.

Tou a ficar velho…

Qual o seu sítio ideal para praticar o amor?

A mim deu-me isto…

Fim de semana

Este fim de semana foi extremamente cansativo, tanto a nível físico como a nível psicológico. Em parte foi desgastante por causa de um torneio de 24h de futsal que se realiza todos os anos no Sardoal, organizado pela turma de 12º ano da escola. Neste fim de semana consegui observar certas características minhas: sei que já não consigo aguentar tantos jogos de futsal seguidos como antigamente; nem estar sem dormir tantas horas consecutivas; nem permanecer 5 ou 6 horas seguidas a ver jogos de futsal sem me aborrecer; mas que consigo falar contigo como amigos, apesar de termos “terminado” à relativamente pouco tempo. Sei que foi uma conversa de circunstância. Sei que medi todas a palavras e frases que disse, não para ferir susceptibilidades, mas sim porque não tinha perguntas para te fazer ou um tema de conversa adequado para a situação. Falar da escola, do tempo ou da organização do torneio é, no meu entender, uma conversa de circunstância. Assim noto que a minha mudança do passado dia 14 está a resultar, sei que quando te vejo não fico a matutar do fim da nossa relação, nem no que poderia ter acontecido se tivesse sido diferente.
A vida é para seguir para a frente, seja acompanhado ou não com a presença dos amigos, mas é para seguir em frente. O que se passou já não muda mais, por isso, cabeça erguida.